Aldeias

Piódão - Castelo Novo
Etapa da Grande Rota

Castelo Novo, Piódão

87.16 km

Piódão

24:20

Locais de passagem: S. Jorge da Beira, Aradas, Unhais o Velho, Portela de Unhais, Póvoa da Raposeira, Dornelas do Zêzere, Partida, Pereiros, S. Vicente da Beira, Louriçal

<<AVISO>>
Esta etapa foi afectada pelo incêndio na Serra da Gardunha. Deste modo, pedimos a sua atenção para que não dependa unicamente da sinalização do percurso. Recorra ao ficheiro .gpx aqui disponibilizado. Estamos a trabalhar para rapidamente restabelecer a sinalização afectada.

Piódão -> Castelo Novo
O início desta exigente etapa é coincidente com o final da anterior. Separa-se da mesma quando inicia a subida em direção ao cume de S. Pedro do Açôr. Percorre parte do parque eólico, para de seguida começar a descer para a face Sul em direção a S. Jorge da Beira. Daqui o percurso sobe pela EM502, entra no vale de Unhais-o-Velho, descendo-o para depois da localidade subir até à Portela de Unhais. Deste ponto, rapidamente desce à Póvoa da Raposeira para acompanhar uma ribeira afluente do Zêzere até à sua foz e chegar a Dornelas do Zêzere, onde o atravessa em direção ao Alqueidão. Após esta localidade, o percurso dirige-se para a Serra da Gardunha, contornando o vale das Bogas, e sobe ao cume da Moeda de onde desce para Sul. Já perto da base desta Serra o percurso dirige-se agora para este em direção a Castelo Novo, passando por S. Vicente da Beira e Louriçal do Campo.

Castelo Novo -> Piódão
Saindo de Castelo Novo em direção a oeste, esta etapa começa por passar nas localidades de Louriçal, S. Vicente da Beira, Pereiros e Partida, antes de infletir para norte e iniciar a subida para cruzar a Serra da Gardunha. Após passar o parque eólico desta serra, o percurso desce em direção ao vale do Zêzere, para, em a Dornelas, atravessar o rio por uma ponte pedonal (travessia condicionada de Inverno, alternativa pela variante da Grande Rota do Zêzere). Após um pequeno troço em alcatrão, esta etapa segue a sua direção predominante, percorrendo o vale de uma ribeira afluente do Zêzere até à Póvoa da Raposeira, onde inicia a subida para a Portela de Unhais. Deste ponto, o percurso desce até Unhais-o-Velho, iniciando a subida deste vale que nos leva até São Jorge da Beira. Daqui, sobe ao parque eólico para atravessar a Serra do Açôr e mergulhar nos seus vales até à aldeia presépio, o Piódão.

Fauna e flora

_PIÓDÃO_
Nas encostas, viradas a sul, da Serra do Açor podemos encontrar, nas maiores altitudes, o medronheiro e os matos de urze. No outono surgem diversas espécies de cogumelos interessantes entre as quais destacamos a Amanita muscaria. O rio Zêzere domina a paisagem neste local e propicia a presença da alvéola-branca e até da garça-real. Junto ao Piódão estamos em plena Serra do Açor. Aqui as formações arbustivas dominam a paisagem surgindo dispersos alguns aglomerados de castanheiros. Poderemos encontrar a raposa ou até a geneta. Já junto às localidades encontramos as culturas, as árvores e os prados em socalcos. Ainda nas zonas de maior altitude, com coberto vegetal rasteiro, encontramo-nos no território de caça predileto da águia-de-asa-redonda e do tartaranhão-caçador.

_CASTELO NOVO_
Na planície sobranceira a esta aldeia, perto de Atalaia do Campo, encontramos um mosaico de aproveitamento agrícola dominado pelo olival, mas com manchas de culturas de sequeiro e até com carvalhais. Junto à ribeira de Alpreade surge o amieiro, o salgueiro e o freixo e, apesar da forte presença humana, ocorrem aves como o pardal-montês, o trigueirão ou o cartaxo-comum. Com a aproximação à “concha” serrana, onde se abriga Castelo Novo, encontramos um microclima que possibilita culturas frutícolas, nomeadamente citrinos. Junto à aldeia podemos observar o rabirruivo-preto ou o melro-azul. Esta região está integrada no Geopark Naturtejo pelas curiosas formações geológicas que aqui existem. É também importante salientar a ocorrência da Asphodelus bento-rainhae, uma planta que é um endemismo exclusivo da encosta norte da Serra da Gardunha.